Segunda-feira, 13 de Julho de 2009
O Teatro Oficina anda pela cidade de Guimarães

Durante o mês de Julho, a mais recente produção do Teatro Oficina, No Cover, vai andar pela cidade de Guimarães. Aproveitando o Verão, a companhia vimaranense decidiu sair do seu espaço habitual, para abraçar a cidade. Já a encontrou?

 

Duas mulheres que dizem chamar-se Victoria Beckham, uma real e uma cópia - ambas clones de um estereótipo - discutem em frente de um vagabundo que jura ter sido uma estrela do rock-pop. Juntos entram na aventura de revolucionar o mundo da música com uma proposta pirata e subversiva. “No Cover”, do mexicano Luis Mario Moncada, é uma farsa sobre a originalidade contemporânea que, com música, bailes e um forte delírio de grandeza, reivindica a apropriação pirata, a redefinição dos direitos de autor, e a velha expressão que diz: “no mundo não há nada de novo, salvo aquilo que já nos esquecemos”.

 

Nascido em Hermosillo, no México, em 1963, Luis Mario Moncada reparte a sua actividade entre a  escrita dramática, a interpretação, a investigação e gestão cultural. Escreveu e adaptou mais de 25 obras, quase todas representadas. Algumas das suas obras foram traduzidas para inglês, francês e alemão. Luis Mario Moncada tem aparecido  em antologias de dramaturgia na Alemanha e Espanha e realizado apresentações nos Estados Unidos, Canadá, El Salvador, Colômbia, Bolívia, Chile, Venezuela, Argentina, Portugal, Itália e Espanha. Colabora com inúmeras publicações especializadas no México e no estrangeiro, para além de ser fundador da revista de investigação teatral “Documenta-CITRU”.

 

Segundo Marcos Barbosa, director artístico do Teatro Oficina, “esta peça é uma espécie de grito de afirmação pop e, por isso mesmo, usando essas mesmas referências, aparece do nada, para tentar não ser tudo, mas ser, usando uma expressão futebolística, uma jogada de encher o olho. Mesmo assim, mais teatro invisível, continuamos a ser absolutamente teatro, e por isso com este texto de Luis Mario Moncada, esta música quase toda pirateada por Samuel Úria, e com estes actores electrofashionpoprock, entramos pela vida das pessoas dentro, conquistando-as para a urgência da sua participação neste projecto que deve ser comum: a criação de um mundo novo.” Com tradução e encenação de Marcos Barbosa, a peça é interpretada por Alheli Guerrero, Diana Sá e Rodrigo Santos.
 

tags:
Publicado bragadistrito às 08:00
Link do Post | Comentar | Adicionar aos Favoritos
Mais sobre este Blog
Pesquisar neste Blog
 
Newsletter

Escreva o seu e-mail:

Distribuido por FeedBurner

Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
Posts Recentes

Troilo e Créssida no Thea...

Eunice para Crianças

Client na Casa das Artes

Festival Panos

A Naifa no CCVF

...

Exposição 'Bienal na Esco...

...

Carlos Macedo na Casa das...

Semana da Educação na Póv...

Arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

tags

todas as tags

Contador
blogs SAPO
subscrever feeds