Terça-feira, 18 de Novembro de 2008
Azulejos do Convento do Pópulo para todos

Amanhã, dia 19, é apresentado publicamente o trabalho desenvolvido na recuperação do revestimento azulejar da escadaria nobre do Convento do Pópulo.

 

Após a apresentação, que acontece às 12h00, iniciam-se visitas guiadas aos diferentes painéis de azulejos, sendo disponibilizado aos visitantes alguma literatura sobre este património.

De igual forma, vai estar instalado, a partir de então, na escadaria em referência, um quiosque multimédia que permite a visualização de um trabalho audiovisual sobre o processo de restauro ali desenvolvido.

As visitas-guiadas, gratuitas, que se iniciam a 24 de Novembro, dirigem-se ao público em geral, mas privilegiam a comunidade escolar, acontecendo às quartas, quintas e sextas-feiras, entre as 09h30 e as 11h30 e entre as 14h30 e as 16h30.

Implicam a inscrição prévia, que deve ser feita junto da Divisão Municipal de Renovação Urbana, tutela do Gabinete de Arqueologia, que coordenou este projecto de intervenção no património público: 253 203 150 (Ana Fernandes - extensão 1106) ou arqueologia@cm-braga.pt.

Ilda Carneiro, a Vereadora da Cultura, explica que o filme produzido sobre esta intervenção «mostra o processo de restauro e fornece ao público a percepção de todas as fases do processo de salvaguarda deste interessante e valiosíssimo património arquitectónico».

«Estas acções visam contribuir para a divulgação do património recuperado, promovendo a valorização e dinamização do edifício onde se insere – o Convento do Pópulo –, classificado como Imóvel de Interesse Público», sublinha.

 

Convento do Pópulo

A construção da igreja e convento do Pópulo iniciou-se em finais do século XVI, pela ordem do arcebispo D. Frei Agostinho de Jesus, com o intuito de albergar o seu jazigo. Ao longo do século XVIII foram introduzidas diversas alterações de carácter barroco, ainda hoje visíveis em múltiplos elementos decorativos do interior da igreja e nos azulejos do interior.

Em finais do século XVIII, sob a autoria do engenheiro e arquitecto Carlos Amarante, procedeu-se a obras de reconstrução, conciliando as matrizes barrocas com o neoclássico, recebendo o conjunto edificado a imagem que chegou até nós.

Após 1834, altura em que a ordem que ocupava o convento foi extinta, o imóvel foi transformado em quartel militar, perdurando essa função até à última década do século XX, altura em que foi adquirido pela Câmara Municipal de Braga, que iniciou os trabalhos de restauro e reabilitação necessários à salvaguarda do imóvel e à instalação dos serviços municipais.

Em 2006, com a colaboração do IPPAR, iniciaram-se os estudos e trabalhos técnicos que conduziram ao restauro do revestimento azulejar da escadaria nobre do convento, que se encontrava em elevado estado de degradação.

A intervenção teve por base o levantamento do estado de conservação dos mesmos, procedendo-se ao seu restauro, privilegiando o seu valor artístico, através do recurso ao uso de réplicas, colmatando lacunas existentes de modo a proporcionar a leitura e percepção estética do silhar de azulejo.

Subjacente a esta intervenção esteve também o intuito de disponibilizar ao público este património, numa dimensão turistico-cultural, para que possa ser plenamente fruído.

 

Azulejaria da Escadaria Nobre

As dependências conventuais do conjunto edificado são compostas por diversos espaços, de que se destaca o claustro e a escadaria nobre. Esta é composta por dois pares de lanços de escadas laterais, simétricas que conduzem a um patamar intermédio, amplo e rectangular, de onde irrompem dois lanços centrais opostos e que terminam nos corredores de acesso às alas laterais, respectivamente da frontaria e das traseiras.

A escadaria nobre apresenta revestimento em silhar de azulejo, composto por uma série de painéis de azulejo de contorno recortado. Datado do século XVIII, este silhar enquadra-se no período denominado como “Ciclo dos Mestres”, que se destacou pela monocromia azul e pela contratação de pintores de cavalete para a execução de painéis de azulejos, conferindo, assim, o efeito de tridimensionalidade ao espaço onde estavam inseridos.

Iconograficamente, o revestimento da escadaria nobre do convento do Pópulo apresenta temática religiosa, relacionada com a meditação contemplativa, pela figuração de monges agostinhos em cenários bucólicos, estando directamente relacionados com a ordem religiosa que ocupava o convento, a Ordem dos Ermitãs de Santo Agostinho

Em Portugal, o azulejo assumiu especial importância pelo modo de aplicação, associado à arquitectura através de revestimento, assim como pela sua longevidade e resistência física.

No entanto, o azulejo acabou por ultrapassar a sua função utilitária, alcançando estatuto de arte que reflecte a história e cultura portuguesa.

tags:
Publicado bragadistrito às 08:00
Link do Post | Comentar | Adicionar aos Favoritos
Mais sobre este Blog
Pesquisar neste Blog
 
Newsletter

Escreva o seu e-mail:

Distribuido por FeedBurner

Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
Posts Recentes

Troilo e Créssida no Thea...

Eunice para Crianças

Client na Casa das Artes

Festival Panos

A Naifa no CCVF

...

Exposição 'Bienal na Esco...

...

Carlos Macedo na Casa das...

Semana da Educação na Póv...

Arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

tags

todas as tags

Contador
blogs SAPO
subscrever feeds