Quinta-feira, 18 de Dezembro de 2008
Conto de Natal

Pela Companhia da Esquina, Conto de Natal de Charles Dickens, dias 20 e 21, às 16h30, na Sala Principal do Theatro Circo.

 

 
Boas festas para todos em qualquer altura do ano! O Natal só acontece uma vez por ano, triste verdade, pois se acontecesse todos os dias, este mundo seria bem diferente. Esta é a mensagem de Charles Dickens e do seu 'Conto de Natal'. Repicariam então os sinos com a sua sábia capacidade de transmitir todo um mundo espiritual, revelando-o como um grande amigo da infância. Boas festas para todos, com os contos de Charles Dickens. «Mais vale ser cego de todo, do que ter um ar destes». Esta é a opinião de Pickles, a pulga, que inadvertidamente vai cair na orelha do protagonista do 'Conto de Natal', o avarento Scrooge. Scrooge, uma personagem de Dickens que recusa a tradição e põe em causa o ideal do Natal, tem desta vez um observador anónimo, a pulga Pickles. De uma forma inovadora, Pickles vai fazer uma narrativa da viagem alucinante que Scrooge inicia quando é confrontado por três espíritos natalícios que o tentam redimir dos erros do seu passado. Estes três fantasmas representam o passado, o presente e o futuro e percorrem o texto de Dickens duma forma patética, com uma subtileza de humor contemporâneo que torna possível uma harmonia na reconciliação dos homens, não só através das suas virtudes como também das suas fraquezas. Numa estética de comédia, o clássico de Dickens afasta-se da narrativa canónica do melodrama sem perder o conteúdo da narrativa. Esta escolha na adaptação do texto do “Conto de Natal” justifica-se pelo facto de se dirigir a uma camada infanto-juvenil. O elemento de comédia facilita a mensagem e torna a obra mais aliciante ao público a que se destina. Assim, os fantasmas desta história comportam-se por vezes de uma forma pouco convencional, onde a sua estratégia metafísica nem sempre é eficaz. Deste modo, os seus métodos sobrenaturais avançam por tentativa e erro, para redimir o avarento Scrooge. Neste processo, vão precisar quase sempre, de uma pequena ajuda terrena por parte de Pickles, emprestando uma natureza humana a estas personagens oriundas do sobrenatural. Desta forma o objecto de teatro aproxima-se do sujeito que, como público, absorve de um modo mais fácil o conteúdo da obra. E não se esqueçam! Um problema de consciência traz sempre uma pulga atrás da orelha.

Publicado bragadistrito às 08:00
Link do Post | Comentar | Adicionar aos Favoritos
Mais sobre este Blog
Pesquisar neste Blog
 
Newsletter

Escreva o seu e-mail:

Distribuido por FeedBurner

Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
Posts Recentes

Troilo e Créssida no Thea...

Eunice para Crianças

Client na Casa das Artes

Festival Panos

A Naifa no CCVF

...

Exposição 'Bienal na Esco...

...

Carlos Macedo na Casa das...

Semana da Educação na Póv...

Arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

tags

todas as tags

Contador
blogs SAPO
subscrever feeds