Sábado, 26 de Abril de 2008
Museu do Ouro

Desde tempos ancestrais que a aldeia de Travassos está ligada ao trabalho do ouro. No concelho de Póvoa de Lanhoso, a pouco mais de 20 quilómetros de Braga, o trabalho em filigrana tinha vida nessa povoação. A vontade de um homem criou um museu que preserva essas tradições que ainda se mantêm. Mais: garante o futuro de um passado enquanto preserva o presente. Numa filigrana única no mundo, de quatro fios…

 

 

Os pais de Francisco de Carvalho e Sousa não queriam ver o filho nas férias escolares pelos «caminhos». Em Travassos, aldeia do concelho de Póvoa de Lanhoso, o pequeno Francisco tinha de ir para as oficinas dos ourives enquanto muitos dos seus amigos brincavam nos campos e nos montes, paisagem verde e agreste. A ourivesaria, já nessa altura, era a actividade artesanal mais representativa do concelho, onde actualmente cerca de 40 oficinas ainda laboram. Francisco passava as férias escolares nessas oficinas de grandes janelas a descobrir, aos poucos, uma arte onde a serenidade de gestos marcava o rumo do artesão. Talvez por isso, Francisco de Carvalho e Sousa fale devagar, meticulosamente, marcando cada pormenor com contraste único. Mudando de oficina todas as férias, aprendeu a ver, a ouvir a cultura dos outros, polindo as suas ideias e desejos em sons suaves e precisos.

Quando o tempo do liceu chegou, Francisco de Carvalho e Sousa foi para Braga continuar estudos. Contudo, o caminho nem sempre é linear e nem todos podiam seguir as letras, pois as dificuldades económicas de muitas famílias limitavam sonhos. Francisco teve de voltar para Travassos aos 14 anos, à sua terra natal, e foi trabalhar para uma oficina de uns parentes. «O ouro tem de ser trabalhado com suavidade, exigência, sem falhas». A prática anterior e os conhecimentos adquiridos ao longo dos tempos de férias com vários mestres deram-lhe essas qualidades. «Quando havia períodos de crise o tempo era gasto a criar novos modelos que podiam fazer êxito ou não passavam dali. Nessa altura tive oportunidade de fazer de tudo. O meu mestre tinha uma personalidade e uma dignidade riquíssima».

Francisco de Carvalho e Sousa viveu rodeado de ouro, dos objectos que o trabalhavam. Sempre ourives, desenvolveu uma curiosidade natural por tudo o que estivesse relacionado com a arte. «Via a trabalhar com serrinhas, a cravar pedras, a diversidade das cores, as tonalidades diferentes, os tamanhos das pedras. Isso despertou-me uma curiosidade notável que me cativou para o resto da vida». Embora não o refira, talvez o regresso de Francisco a Travassos tenha sido fundamental para o Museu do Ouro ser criado. Aos poucos, já a trabalhar em filigrana, o gosto ampliou-se por esse trabalho que envolve a serenidade. «O espírito deste museu foi rememorar a cultura deste povo, dos nossos familiares, de todos os que aqui viveram e que com frequência trocavam ferramentas. Até o próprio saber pertencia à comunidade. Todos sabiam o que se estava a fazer, em que ponto estava a obra. Trocavam-se muitas conversas e convívios. Nós utilizávamos uma filigrana duplamente trabalhada, com quatro fios torcidos. Para a fazer era preciso ser um óptimo ourives, um soldador prático e sereno. Esta filigrana é única no mundo. Só aqui se faz».

Para além de rememorar a cultura daquela região ligada de alma e coração ao ouro, Francisco de Carvalho e Sousa pretendeu divulgar a cultura, o saber, a vida comunitária, «tentar fazer um esforço para salvar algumas ferramentas e um património invulgar que aqui era utilizado. Era tudo feito aqui. Idealizavam os modelos da argola fazendo primeiro o ferro, faziam os parafusos, tudo era aqui aperfeiçoado». Objectos únicos criados nesse saber e paciência humana que perduram o tempo e os desejos. Ao ser criado o Museu do Ouro está a ser feita uma homenagem a todos os ourives. E «para além de musealizar, dinamizar as oficinas ainda em laboração e colaborar na recuperação das que se encontram em ruínas, o Museu do Ouro pretende tornar-se uma instituição activa, ao serviço da comunidade que lhe deu origem, nela criando um pólo dinamizador da região e do respectivo saber tradicional, dirigido a uma ampla região e a públicos diversificados».

 

 

A moeda

Mas vamos entrar e ver. O hall de entrada era a antiga loja do carvão, o armazém do carvão. Há ali uma exposição de objectos de ouro, em filigrana, feitos em Travassos. Há ferramentas e utensílios, pesos, ferros. Olhar cada vitrina é descobrir, nas palavras de Francisco de Carvalho e Sousa, pormenores únicos de uma história que poucos parecem conhecer. Ouvem-se histórias, pode-se imaginar como se faziam determinadas peças decorativas em filigrana. Num pequeno espaço existe um mundo amplo de objectos únicos, criados unicamente para a arte do trabalho em ouro. Ao lado há umas escadas interiores que nos levam a uma oficina antiga, com mobiliário todo ele secular. «Todas as bancas são centenárias. Fizemos por montar uma oficina como se fosse para trabalhar. Se fosse preciso pô-la a trabalhar estava pronta». Com amplas janelas, as bancas viradas para essa luz que entra logo pela manhã, quente, com objectos únicos e que precisam de explicação para sabermos da sua utilidade. Engenhos humanos para trabalhar o ouro e criar peças de um saber e valor humano inigualável.

Mais à frente temos o espaço da antiga forja, um espaço escuro, agora sala do ouro. A exposição começa com uma montra que pretende mostrar o princípio da filigrana. Um pedaço de ouro bruto, uma barra de ouro puro, prata pura e filigrana já pronta. E há ali também umas pequenas moedas. O que são? «Aquela moeda iniciou tudo isto. Quando me apareceu para ser derretida tinha 15/16 anos. Mas estava perfeita e decidi pagá-la ao dono para ficar com ela. Mas não sabia o que estava a salvar, quando mais tarde soube que era uma moeda rara. A moeda foi esse desejo e vontade de guardar o passado e tentamos nunca derreter nada que tivesse história relacionada com usos e costumes da freguesia e da região. Porque os objectos trazem acompanhado o espírito criativo do seu artesão, estão carregados de valor espiritual, valem mais do que o valor real». Para além da montra que conta toda a história da criação do museu, há muitas outras com peças únicas que finalizam com um diadema de tiras, muitíssimo raro. «Talvez seja uma das primeiras peças que o ser humano fez em ouro. Deve ter cerca de 40 séculos». Saindo da sala e subindo uns pequenos degraus, há uma sala de exposições temporárias, também aproveitada para receber grupos escolares.

 

E porquê ouro em Travassos?

«Não está nada escrito e é difícil contar essa história. Mas chegamos à conclusão de que o verdadeiro berço das primitivas jóias deve ter sido no Norte. O rio Minho e os rios da vertente atlântica do Norte da Península Ibérica são muito auríferos. Há muito tempo que as mulheres lavavam as areias dos fundos dos rios à procura de ouro. Com caudais rápidos e acidentados, que provocam muito desgaste, é normal que o ouro apareça e seja depositado em partes mais calmas, nos areais. O facto de Travassos ser uma freguesia numa posição estratégica, sobranceira ao vale do Ave, em ligação directa com o Castro de Lanhoso e o vale do Cávado, com muita e boa água, bom barro, uma encosta apetecível para viver, foram factores de permanência de populações que criaram formas de sobreviver».

Quando abre o Museu do Ouro, em Março de 2000, houve uma ideia a fundamentar todo o projecto: «A inauguração deste museu não foi um fim, mas um princípio para uma continuidade cultural. O museu foi e vai ser um princípio não só em património, porque tem aumentado em peças, ferramentas, mobiliário, mas terá um futuro, mais amplo ou menos amplo, marcando o início de uma época e de um tempo numa aldeia do interior». Claro que o começo não foi tarefa fácil. Mas a verdade é que o Museu do Ouro abriu e preserva uma cultura riquíssima e única no mundo. Sabe Francisco de Carvalho e Sousa, numa vida dedicada de mãos e amor à filigrana e, agora, à preservação de um património único, que «de Travassos saíram muitos objectos que encheram de arte e vida muitas pessoas. Fizemos com que o museu fosse humanizado, pois aqui mantêm-se o culto da utilização dos objectos de ouro».

 

Museu do Ouro de Travassos

Aldeia de Baixo

Travassos — Póvoa de Lanhoso

4830-771 Travassos PVL

Telefones — 253.943.790/1

Fax — 253.943.792

www.museudoouro.com

E-mail — info@museudoouro.com

 

Horário

Aberto aos fins-de-semana e feriados ou mediante marcação

Junho/Setembro: 14h30 — 18h00

Outubro/Maio: 14h30 — 17h30

 

Fechado

1 de Janeiro

Sexta-feira Santa

Dia de Páscoa

25 de Dezembro

 

Acesso

Sair da A3 em Braga e seguir direcção a Chaves. Doze quilómetros percorridos, virar à direita em direcção a Póvoa de Lanhoso e seguir rumo a Cabeceiras de Basto. Manter esse caminho até encontrar, cerca de sete quilómetros depois, uma indicação, à esquerda, para Travassos — Museu do Ouro. Já há placas, mas convém toda a atenção. Virar para a aldeia e seguir na estrada até encontrar uma bela casa, a Casa de Alfena. Ao lado, inserido nesse nobre conjunto, fica o Museu do Ouro.

 

 

Publicado bragadistrito às 23:47
Link do Post | Comentar | Adicionar aos Favoritos
Mais sobre este Blog
Pesquisar neste Blog
 
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
Posts Recentes

Troilo e Créssida no Thea...

Eunice para Crianças

Client na Casa das Artes

Festival Panos

A Naifa no CCVF

...

Exposição 'Bienal na Esco...

...

Carlos Macedo na Casa das...

Semana da Educação na Póv...

Arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds